Vigilantes

Objetivos

  • Dotar o formando de conhecimentos relativos às funções de vigilante;
  • Dotar o formando de conhecimentos técnicos de segurança física e eletrónica;
  • Promover a aquisição de competências em procedimento de segurança de pessoas e bens e prevenção da prática de crimes;
  • Promover a aquisição de competências em vigilância humana e eletrónica e operação de centrais de receção e monitorização de alarmes e televigilância;
  • Promover a aquisição de competências em procedimentos de emergência e de alarme;
  • Promover a aquisição de competências em procedimentos de resposta a alarmes;
  • Promover a aquisição de competências na realização de revistas pessoais de prevenção e segurança;
  • Dotar o formando de competências em gestão de conflitos;
  • Dotar o formando de conhecimentos em defesa pessoal.

Destinatários

Todas as pessoas que pretendam obter uma certificação e exercer uma atividade na área da Segurança Privada.

Pré-requisitos

Apresentados nas alíneas a) a d), f) e g) do número 1 do Artigo 22 da Lei nº 34/2013 de 16 de maio.

Conteúdos

  • VIG01 – Segurança física e controlo de acessos
  • VIG02 – Técnicas e prática de vigilância humana e eletrónica e intervenção de alarmes
  • VIG03 – Procedimentos operacionais
  • VIG04 – Revistas pessoais de prevenção e segurança
  • VIG05 – Gestão de conflitos e procedimentos de detenção
  • VIG06 – Registos técnicos e relatórios e simulação prática de incidentes
  • VIG07 – Defesa pessoal
  • ALM01 – Segurança eletrónica e procedimentos operacionais de emergência em alarmes
  • ALM02 – Operação de meios de videovigilância e centrais de alarme

Duração

90 horas

Certificação

Esta formação é reconhecida pela PSP – Polícia de Segurança Pública para emissão do cartão profissional.

O vigilante exerce exclusivamente as seguintes funções:

  1. Vigiar e proteger pessoas e bens em locais de acesso vedado ou condicionado ao público, bem como prevenir a prática de crimes;
  2. Controlar a entrada, a presença e a saída de pessoas e bens em locais de acesso vedado ou condicionado ao público;
  3. Prevenir a prática de crimes em relação ao objeto da sua proteção;
  4. Executar serviços de resposta e intervenção relativamente a alarmes que se produzam em centrais de receção e monitorização de alarmes;
  5. Realizar revistas pessoais de prevenção e segurança, quando autorizadas expressamente por despacho do membro do Governo responsável pela área da administração interna, em locais de acesso vedado ou condicionado ao público, sujeitos a medidas de segurança reforçada.